[Resenha] Sniper Americano

Título: Sniper Americano
Ano: 2014
Gênero: Drama, Guerra
Diretor: Clint Eastwood
Elenco Principal: 
  Bradley Cooper Chris Kyle
  Brando Eaton
  Brian Hallisay Capitão Gillespe
  Cory Hardrict D


Sinopse: 
Adaptado do livro American Sniper: The Autobiography of the Most Lethal Sniper in U.S. Militar History, este filme conta a história real de Chris Kyle (Bradley Cooper), um atirador de elite das forças especiais da marinha americana. Durante cerca de dez anos, ele matou mais de 150 pessoas, tendo recebido diversas condecorações por sua atuação.

Fonte: Filmow


Crítica e Resumo:

Esse é um daqueles filmes que você já começa aflito. Dois homens. Duas armas. Uma criança. Uma mulher. Um tiro. Uma pessoa morta. BUM! Várias pessoas mortas.



Todo mundo conhece a Guerra do Iraque, bem como do envolvimento dos Estados Unidos nela. Chris Kyle, nosso protagonista, é um homem que depois de se abalar com os eventos do 11 de Setembro se junta ao exército e logo é enviado para o Iraque. O que ninguém de lá esperava era que ele se tornaria nada menos que o melhor e mais legal Sniper que os EUA já vira até então. Chris ficou conhecido como Mito tamanha era sua habilidade com a arma. Bradley Cooper, ator que deu vida a Chris Kyle, desempenhou seu papel de forma extraordinária.



Para os EUA Chris foi um heroi que poupou milhares de vida ao findar com apenas uma - um perigoso sniper inimigo - e algumas outras,né, rs. Enfim, Cooper conseguiu manejar seu papel de modo que o personagem ficasse mais real. Chris não consegue voltar a sua vida uma vez que saiu dos campos de guerra. Ele se sente estranho e vez por outra com visões quando está acordado, além de ouvir sons da guerra e tem e pesadelos. É aí que percebemos o lado humano dele, ao contrário dos críticos que diziam que ele foi um psicopata, um doido que matava sem medo e tal. Depois da guerra ele sentia mal por tudo o que viveu. Não acredito que ele se arrependeu, de fato, pois ele salvou mais vidas que matou, até porque quem mandou aquela galera ser maluca daquele jeito?!  De qualquer forma, Cooper conseguiu desempenhar seu papel de marido que não está presente na vida da esposa devido a seu trauma pós-guerra e consequentemente seus filhos são esquecidos. Mas as coisas melhoram no final, ele encontra um jeito de se redimir ao ajudar os veteranos de guerra e são cenas muito lindas!


Muita gente criticou o filme alegando que de heroi Chris Kyle não tinha nada, uma vez que foi um matador sem piedade, mas eu discordo. Desde o momento me apaixonei pelo personagem, lamentei apenas não ter lido o livro antes do filme,  mas com um filme fantástico como esse o livro só pode se maravilhoso, né? Acho que em guerras desse tipo onde o inimigo não mostra misericórdia se você tem que matar para se proteger e proteger seus amigos que mate e mate bem. Como um Sniper. Como Chris Kyle. Gente, acontece uma coisa no filme - que não vou falar para não dar spoiler - , mas tipo assim, os EUA inteiro parou por ele, entende? Você tem noção do que é um país do nível EUA para por você? Não, não tem noção. Mas assim, o filme te prende do início ao fim e o final é ... Não sei como descrever o final! Sei que ser baseado na vida do Chris Kyle , tipo, o Chris Kyle DE VERDADE muda tudo. Vai lá conferir esse filmaço se ainda não viu!


4 comentários:

  1. Oi Thays,
    Sou louca para ver esse filme, e ler o livro. Mais nunca tenho tempo :(
    Adorei a sua resenha, ficou ótima!
    Já estou seguindo seu blog :)
    Sucesso ♥

    Livros Para o Chá das Cinco

    ResponderExcluir
  2. Oi, Katelyn. Veeeeja, vai adorar. Eu quero o livro agora haha
    Obrigada pela visita e pelo follow, vou seguir seu blog, tá?
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Não é o meu filme de guerra favorito, mas para o elenco e enredo recomendo. Eu acredito que a Sniper Americano, apresenta uma história divertida, embora às vezes torna-se monótono, assim vale a pena verificar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paola. Eu adorei. Não acho que seja monótono, em especial, por se tratar de uma história real. É um dos poucos filmes de guerra que me apaixonei, porque em geral, sou bem criteriosa com filmes de guerra. Recomecei a deus e o mundo depois que vi haha

      Excluir